Você já teve a impressão de estar “apagando incêndios” com seu salário mês a mês? Verifica seu contracheque, mas quando o dinheiro bate na conta, uma parte é logo “abduzida”? Então você logo percebe que está no vermelho e que a dívida logo vira uma bola de neve. Saiba que você não está sozinho. De acordo com o SERASA, em março de 2016, 60 milhões de brasileiros encontravam-se afundados em dívidas e hoje buscam formas de sair desta situação.  Mesmo que você não esteja no vermelho, certamente conhece alguém que passa por isso. Muitas pessoas querem sair das dívidas, mas não sabem como. A questão é: como sair do vermelho e nunca mais voltar para as dívidas.

Os juros cobrados para uso do cheque especial chegaram a 315,7% ao ano em junho de 2016, de acordo com o Banco Central. Esta foi a maior alta da taxa desde o início da série histórica, em julho de 1994.

O maior problema de se entrar no cheque especial é o efeito bola de neve no caso de inadimplência. São cobrados juros sobre juros a cada dia de dívida e o seu saldo devedor aumenta de forma estratosférica.

Neste artigo, vou listar 7 simples passos para você seguir e se livrar das dívidas de forma que não seja atingido pela “avalanche” de dores de cabeça e problemas futuros que as dívidas trazem.

Passo #1) Objetivo claro e positivo

lente caminho pra sair do vermelho.

Se você concentrar sua atenção em simplesmente sair do vermelho, poderá até conseguir, mas suas chances de voltar para o vermelho são grandes. Assim não adianta nada saber como sair do vermelho. Perceba que o seu foco está no vermelho, nas dívidas. Você deve buscar sair do vermelho, mas tendo em mente objetivos mais importantes para você, como a criação de uma poupança para a quitação do financiamento imobiliário ou a criação de uma poupança para comprar um imóvel à vista. Atenção: refiro-me à poupança como o ato de poupar e não à Caderneta de Poupança.

Não pense em termos de sair do vermelho e ficar no azul. Pense em termos de viver com o você ganha mensalmente e poupar para os seus sonhos, não necessariamente nessa ordem. Ou seja, primeiro poupe e invista, depois viva com o que sobrar. Se você ficar pensando somente em sair das dívidas, conseguirá exatamente isso e gastará tudo o que ganha. Isso não é interessante. A sua única alternativa de vida deve ser o azul.

Passo #2) Reveja suas crenças e hábitos financeiros

compra na internet: conta no vermelho.

Reveja seus hábitos de consumo. Muitas vezes nos autossabotamos em termos financeiros sem perceber. Muitas das pessoas que estão no vermelho não possuem o hábito de anotar despesas e consomem descontroladamente. Para elas já virou hábito entrar todos os meses no vermelho, como se aquele dinheirinho extra fizesse parte de suas receitas. Aceite que o dinheiro proveniente do cheque especial não é seu, que você vai ter que pagar caro por ele, pois os juros são altos. Evite dívidas, exceto para se livrar de outras com taxas maiores, como explicarei mais adiante. Para saber quais as causas reais das dívidas, recomendo a leitura deste artigo.

Quanto à nossas crenças sobre dinheiro, elas originam nossos pensamentos, atitudes e resultados financeiros. Nossas crenças influenciam também nosso estilo de vida ou padrão de consumo. Lá nos arquivos mentais, estão as raízes dos problemas financeiros de muita gente. Não adianta eu fazer um “check-list” aqui sem mencionar que o problema só será resolvido de uma vez por todas pela mudança de crenças e pensamentos sobre dinheiro, como descrevo neste artigo.

Passo #3) Raio-X da sua situação financeira

calculadora e moedas - saindo do vermelho.

Após se conscientizar de que precisa sair do vermelho, estabeleça um objetivo claro de onde quer estar e rever suas crenças financeiras e hábitos de consumo, você deverá fazer um diagnóstico da sua situação financeira.

Neste ponto é comum sentir medo. Mas fique tranquilo. Encarar o problema de frente é a melhor opção. Você precisa vencer o medo, pois o tempo estará contra você e quanto mais rápido você agir, menos onerosa será a solução dos problemas.

Tome nota de quanto você está devendo, há quanto tempo e para quem. Liste todas as suas receitas e todas as suas dívidas.

Dívidas caras

Não deixe de identificar as dívidas mais caras. Normalmente as dívidas mais caras estão ligadas a cheque especial e cartão de crédito. Uma dívida cara não é aquela que possui maior valor de parcela ou maior saldo devedor, mas a que possui maior taxa de juros.

Por exemplo: se você possui uma dívida de R$10.000,00 no cheque especial a uma taxa de juros de 300% ao ano e outra dívida de 5.000,00 no cartão de crédito a 400% ao ano, a dívida mais cara, certamente é a do cartão de crédito.

Anote todas as suas despesas fixas essenciais (aluguel, prestação da casa, contas de luz, água, telefone e internet) e todos os gastos supérfluos (lanches, jantares fora de casa, roupas e calçados de marcas famosas).

Tome nota de tudo, controlando suas entradas e saídas de dinheiro. Você pode utilizar uma planilha de Excel para fazer isso, como esta da BM&F Bovespa.

Com essas informações em mãos, fica mais fácil identificar os supérfluos ou vilões do seu orçamento.

Você pode chegar a conclusão de que está saindo mais dinheiro do que entrando ou que está saindo a mesma quantidade de dinheiro que entra. Isso não é normal. Você não deve gastar mais do que 90% do que recebe. Para quem quer uma vida tranquila, deve poupar no mínimo 10% do que ganha. O ideal é que os gastos totais fiquem em 60 %  da sua renda líquida mensal.

Passo # 4) Economize para sair do vermelho

saindo do vermelho: moedas e canetas.

Após o Raio-X da sua situação financeira, concentre-se em economizar dinheiro controlando seus gastos. Corte supérfluos. Reveja se é possível migrar para um plano de telefone celular mais barato, com menos minutos de internet. Busque produtos de marcas mais em conta na hora de fazer suas compras no mercado.

Para o lazer, dê preferência a passeios ao ar livre. Evite ir para shoppings. Deixe o cartão de crédito em casa e saia de casa com uma quantidade de dinheiro mínima para suas necessidades na carteira. Evite sacar muito dinheiro.

Anote todos os seus gastos diários. Para facilitar isso, considere baixar um aplicativo de celular para economizar dinheiro.

A ideia principal aqui é que você se  mantenha dentro dos seus termos financeiros e que não tenha vergonha disso. Não preocupe-se com que os outros vão pensar. Você deve sonhar com uma vida mais confortável, mas deve poupar agora para tê-la no futuro. Preocupe-se em economizar para desenvolver o hábito de gastar menos do que ganha enquanto investe na sua educação.

Passo # 5) Poupe e invista mesmo com dívidas

sair do vermelho economizando moedas.

Poupe com o objetivo inicial de quitar todas as suas dívidas. Estabeleça uma meta de poupança por mês. Por exemplo: Poupe 10% do que ganha a fim de eliminar dívidas. Invista este dinheiro em Tesouro Selic ou um Fundo de Renda Fixa que possua liquidez. Para saber o que é liquidez, visite este outro artigo.

Trabalhe para cumprir esta meta de poupar 10 ou 20% ao mês. Tenha disciplina e foque no objetivo.

Mesmo em dívidas, substitua o hábito de comprar coisas pelo hábito de poupar. Desenvolver este hábito é muito importante.

Assim, após quitar suas dívidas atrasadas ou não, você poderá poupar para seus sonhos e não depender do dinheiro dos outros para mais nada. Imagine só, ao invés de poupar 10% ao mês para quitar dívidas, poderá poupar esta mesma quantia para comprar sua casa própria à vista ou com uma enorme entrada.

Passo # 6) Negocie suas dívidas priorizando as mais caras

Escrevendo contrato e saindo do vermelho.

Lembra-se do passo # 3 em que recomendei que você identificasse as dívidas mais caras? Agora que você sabe quais são, você deve buscar quitá-las da maior para a menor.

Se você não tiver dinheiro para quitar as dívidas mais caras, poderá estudar a possibilidade de contrair um empréstimo consignado. Nesse caso, geralmente a taxa de juros é menor do que a cobrada por cartões de crédito e cheque especial.

É melhor contrair uma dívida em empréstimo consignado a uma baixa taxa de juros para liquidar uma dívida desse mesmo valor no cheque especial do que tentar segurar sozinho a grande bola de neve de juros compostos.

Imagine que você deve R$10.000,00 ao banco de dívidas de cartão de crédito. Sabendo que a taxa de juros cobrada é de 470% de juros ao ano, é melhor pegar um empréstimo consignado de R$10.000,00 a uma taxa de juros de 2,5 % ao mês (equivalente a 30% ao ano) para quitar a dívida do cartão.

Em seguida, continue pagando este empréstimo consignado sem atrasos enquanto poupa até que possa acumular quantia suficiente para quita-lo.

As dívidas com juros mais altos são os vilões invisíveis do seu orçamento. Por isso deve liquidá-las primeiro.

Para saldar suas dívidas, procure o Gerente do banco e manifeste o interesse em quita-las. Sempre dê prioridade ao pagamento total da dívida. Peça para que o banco emita um espelho de sua dívida com a amortização de débitos antecipados com desconto. Se estiver com o nome sujo, aproveite para limpá-lo.

Passo # 7) Dependa menos dos bancos

Cartão - como sair do vermelho?

Como? Torne-se você mesmo o seu próprio banco. Após alguns meses gastando menos do se ganha e poupando a diferença, você poderá solicitar a exclusão do cheque especial. Essa é a melhor coisa que você pode fazer por você. Digo isso por experiência própria, pois no passado distante já fui endividado. A melhor coisa que fiz foi excluir o cheque especial.

Você pode criar um fundo de provisões financeiras e outro de reserva de emergência para cumprir as mesmas funções do cheque especial e do cartão de crédito. Não há necessidade de excluir o cartão de crédito da sua vida, mas estabeleça um limite de valor para uso.

Para saber como criar provisões financeiras, leia este artigo.

Para saber como criar uma reserva de emergência, leia este outro artigo.

Dicas para sair do vermelho e liquidar dívidas (vídeo)

Para sair do vermelho é necessário planejamento. Para facilitar o seu aprendizado, disponibilizei um vídeo contendo entrevista com o Especialista Financeiro Valter Police Jr. da Police Consultoria que dá dicas para as pessoas se livrarem das dívidas. Confira:

De acordo com o especialista, as pessoas devem entender a origem das dívidas, o que tem relação com que abordei no passo # 2 (crenças e hábitos de consumo).

Em suma, tenha plena consciência de que gasta menos do que ganha. Se necessário, reveja seu padrão de consumo. Você precisa primeiro ser rico em conhecimento, para depois fazer, gerar riquezas com trabalho e com ativos. Por último vem o ter. Não tente inverter esta ordem, ou passará por problemas financeiros graves.

Quanto mais você estudar, menos dependerá do dinheiro dos outros (cheque especial, empréstimos, etc…) e mais independente financeiramente se tornará. Seus resultados financeiros crescerão na mesma proporção em que você crescer. O seu maior valor está no seu conhecimento. Se você ainda não possui a prosperidade que deseja é porque ainda há algo que desconhece.

Dedique-se à Educação Financeira. Receba sempre nossos artigos cadastrando seu e-mail no topo da página ou na barra lateral direita (é grátis).

Gostou do artigo? Conhece alguém que pode ser ajudado com esta leitura? Gostaria de dar uma grande contribuição social para a população ajudando outras pessoas a se libertarem das dívidas?

Compartilhe este artigo! Para tanto é só clicar nos botões das redes sociais logo abaixo.

Deixe também seu comentário no fim da página.

Abraços e até a próxima!

Fábio Moraes

Um artigo sobre Educação Financeira

,

Sem comentários