Você conhece alguém que sempre compra bens ou produtos a prazo, seja no cartão de crédito ou em outra forma de pagamento? Se a resposta é sim, saiba que esta pessoa pode estar perdendo dinheiro. Com a aplicação de provisões financeiras, este quadro poderia ser bem diferente. 

Existe uma forma de comprar aquele telefone celular ou a geladeira nova sem se endividar e por um preço mais em conta. Esta forma de consumo é a compra à vista.

Quando você faz uma compra pela internet, por exemplo, em cerca de 90% dos casos de pagamento no cartão de crédito está pagando juros. Por mais que na janela de descrição do produto seja informado que o pagamento poderá ser dividido em até 12 x sem juros,  a opção de pagamento via boleto oferece um desconto real. Este desconto costuma variar entre 5 a 10% do valor total.

Você pode e deve planejar a compra de um determinado item que necessita e antecipadamente, fazer aportes de uma quantia fixa mensalmente em algum investimento que possui alta liquidez, visando em determinado tempo comprar o produto à vista. Isso é fazer provisões para consumir de forma inteligente.

A partir do momento que você conhece o valor do produto que deseja comprar e faz uma simulação de quanto teria que pagar em prestações mensais, você poupa e investe estes valores previstos, construindo provisões para pagamento futuro na compra do produto à vista.

Conhecendo melhor as provisões?

Imagine que você possui um veículo fabricado em 2005 e percebe que custo de manutenção do seu carro está onerando seu orçamento. Você conclui que está na hora de ter um carro mais novo. Vamos supor que seu veículo esteja avaliado em R$18.000,00 e você pretende comprar um carro de R$35.000,00. Caso você deseje dar seu carro como entrada, terá que completar com R$17.000,00.

A grande maioria das pessoas entrega seu carro como entrada em uma concessionária e financia o restante. O problema desta situação é o pagamento de juros. Se você tivesse provisionado uma determinada quantia mensalmente com o objetivo de trocar de carro há alguns anos atrás, não necessitaria pedir um empréstimo ao banco para isso.

Quando um computador dá defeito e não compensa consertar, algumas pessoas optam por comprar parcelado. Dessa forma, comprometem o dinheiro a ser poupado para outros objetivos, como aposentadoria, compra da casa própria ou até mesmo suas reservas de emergência.

Quando se trata de uma ferramenta realmente necessária como um computador, você pode até se utilizar de um auto-empréstimo com a intenção de não pagar juros. 

Auto-empréstimo funciona de forma similar a empréstimos de bancos. Só que você empresta dinheiro para você mesmo e assume o compromisso de repor o montante sacado com juros mensalmente, como se estivesse pagando parcelas ao banco.

É necessário disciplina de arcar com o compromisso consigo mesmo e é importante tomar cuidado para não sabotar suas reservas com coisas fúteis.

Provisões financeiras x Reserva de Emergências

Queda de braço - Provisões x emergência

É importante ter em mente que recursos destinados à reserva de emergências somente devem ser usados em casos de emergências, conforme mencionado neste outro artigo.

A troca de um aparelho celular que se tornou obsoleto não é uma emergência. A troca de carro de tempos em tempos não é emergência. Por que? Porque estas despesas podem ser previstas com antecedência. 

Pense da seguinte forma: se você resolvesse comprar um carro, mas não tivesse todo o dinheiro para comprá-lo à vista, teria que comprá-lo financiado. Dessa forma, você daria uma entrada e financiaria o restante, certo? Você não teria que se programar e destinar em seu orçamento mensal uma determinada quantia para pagar as parcelas?

Esse é o seu trabalho. Ter disciplina para pagar pelo seu sonho antes de comprá-lo. Nesse caso, você estará pagando à si mesmo. Assim funcionam as provisões. A diferença está no tempo de aquisição.

Quando se compra um bem sem planejar, de forma emocional e sem adequar ao seu padrão de renda, o imediatismo fala mais alto e isto tem um preço. O correto é poupar por um tempo para adquirir à vista no futuro.

O luxo não deve ser comprado com o suor do seu trabalho ou com sua reserva de emergências.

Já a substituição de um computador quebrado é uma necessidade nos dias de hoje. Entretanto, isso não é uma emergência. Essa necessidade pode ser esperada no futuro, pois computadores não duram para sempre. Também não devem ser trocados todos os anos. Para isso devem ser feitas provisões. Para compras que sejam esperadas no futuro.

Assim, emergências são emergências, desejos são desejos e necessidades são necessidades.

Por que você não faz provisões?

Esta resposta muitas vezes se encontra no fato de existirem poderosas estratégias de marketing no “sistema”. Alguns bancos e Empresas tentam te convencer de que a hora de comprar é sempre agora. O sistema não se importa se você precisará se endividar ou não. Quando você compra a prazo, ainda gera mais lucro para as empresas e bancos pagando juros. Essas estratégias de marketing trabalham massivamente em dois principais pontos chaves da mente humana para despertar o consumo imediato: emoções e repetições.

O nosso subconsciente aceita como realidade uma declaração repetida várias e várias vezes  que entra em nossa mente pelo que vemos, ouvimos e sentimos.  Não importa se essa declaração é verdade ou mentira. Assim, os comerciais de TV por exemplo, repetidos várias e várias vezes, fazem você ter o pensamento de consumir determinado produto repetidas vezes e de forma emocional. As estratégias de marketing fazem você pensar que vai ser um homem ou mulher inteligente se consumir agora, mesmo que para isso tenha que se endividar. O sistema funciona de forma que as pessoas que poupam são julgadas como caretas e avarentas. Isso não é avareza. Isso é inteligência financeira.

Dessa forma, é necessário ter uma postura inabalável e agir diferente da grande maioria que segue na manada comportamental da inserção social.

Faça provisões e transforme-se no seu próprio banco

Quando você faz provisões financeiras, está decretando que você é o seu próprio banco. Não precisará pagar juros em compras com cartão de crédito, usando cheque especial ou pedindo empréstimo a terceiros. Pelo contrário, receberá juros. Quem tem provisões financeiras pode prever uma compra, transferir recursos para uma conta corrente e usar o cartão de débito “fingindo” que está usando o crédito. 

O dinheiro que você recebe na forma de salário, pro-labore ou rendimentos todos os meses costuma ir para algum lugar. Cabe unicamente à você decidir se o seu dinheiro vai alimentar os lucros dos bancos, do governo ou se vão servir como multiplicadores da sua qualidade de vida no futuro.

Se você não se planejar, pode passar a vida toda trabalhando duro somente para comprar coisas ou para trocar coisas velhas por coisas novas. Quem colhe os frutos dos juros do consumo irresponsável é o Banco e não você. 

Como fazer provisões financeiras?

Pilhas enfileiradas de moedas representando as provisões - a forma mais eficiente e econômica de consumo.

Você deverá estimar a depreciação de determinado produto. Produtos usados ao longo do tempo perdem valor.  Faça uma estimativa do período que deseja permanecer com o produto com base em sua vida útil.

Um carro pode ter uma vida útil de 30 anos com adequada manutenção, mas pode não ser viável permanecer com um ele por tanto tempo, por causa dos custos com manutenção. Por outro lado, trocar de carro todos os anos é uma forma de perder dinheiro constantemente.  

Algumas pessoas permanecem com o mesmo carro por 5 ou 10 anos. Dependendo do uso e da manutenção adequada, isso pode ser muito vantajoso. 

Você pode planejar a troca de seu carro a cada 5 ou 6 anos e fazer provisões para isso. Entretanto, esse intervalo de tempo não é necessariamente uma regra. Estas provisões, juntamente com as reservas de emergência, formam um poderoso escudo para seus investimentos mais importantes. Protege ativos destinados à compra de um imóvel ou para a aposentadoria dos sonhos.

Uma das grandes vantagens das provisões financeiras é que você possui uma maior flexibilidade para poupar o que quiser pelo período que quiser, obedecendo a um planejamento estratégico.

O primeiro passo para fazer provisões de bens de menor valor é realizar um inventário dos seus bens que estão sujeitos à depreciação ao longo do tempo.

Por exemplo, imagine que você possui os seguintes bens: Smartphone, notebook, fogão, geladeira, micro-ondas, roupas e calçados.

Você pode estimar quanto tempo determinado item dura. Você também pode fazer pesquisas na internet para descobrir qual a durabilidade média de cada produto.

Determinadas marcas apresentam durabilidade maior que outras se o bem for usado com zelo. Esses bens de melhores marcas podem ser substituídos em intervalos de tempo maiores que de marcas inferiores.

Como usar as provisões para a troca do seu Smartphone?

Imagine que você  estabeleceu que deve trocar de Smartphone de 4 em 4 anos. Quando o fim de cada ciclo chegar, você precisará ter recursos investidos com liquidez para realizar a compra. Você precisará saber o valor de aquisição do aparelho. Em seguida, calcule a taxa de depreciação dividindo 100 pelo número de meses de vida útil.

Nesse caso, a conta é 100/48 = 2,08% . Depois estime  qual o valor por mês a provisionar (P).  

Para tanto multiplique o valor de aquisição do bem pela taxa de depreciação. Dessa forma, caso o preço de aquisição do Smartphone seja R$990,00, a conta a ser feita é:

P/mês = 990,00  x 2,08% = R$20,59

Esse é o valor aproximado a provisionar por mês desde a aquisição de um Smartphone de R$990,00 com duração prevista de 4 anos.

Se fizer isso para todos os seus pequenos bens, estará protegendo seus investimentos destinados a objetivos de maior importância.

Onde aplicar as provisões financeiras?

Aqui é fundamental ter liquidez.

Geralmente provisões levam 10 meses, ou 12 meses até a compra. Mas pode levar mais ou menos tempo.

Há bons fundos de investimento de renda fixa pós fixados oferecidos por bancos que funcionam muito bem para provisões. Nesses fundos, você só deve tomar cuidado para não precisar do dinheiro antes de 30 dias para não pagar IOF. Após 30 dias você poderá sacar o dinheiro investido. Entretanto, vale saber que nos 6 meses você pagará 22,5% de imposto de renda sobre os juros ganhos. Entre 6 meses e 1 ano, pagará 20%. De 1 ano a a,5 ano pagará 17,5% e após 2 anos pagará 15%.

É importante saber que mesmo um fundo de renda fixa com uma taxa de administração justa e pagando 22,5% de imposto de renda sobre os rendimentos, geralmente é mais vantajoso do que a Caderneta de Poupança. Esses fundos acompanham a taxa Selic e por isso, são mais rentáveis na maioria dos casos.

Outra alternativa é investir em títulos privados e públicos pós fixados, como CDBs e Tesouro Selic.

Mesmo provisões feitas na Caderneta de Poupança podem ser vantajosas se a previsão de compra for curta.

Assim, não comprometer sua renda futura e não pagar juros já é um grande avanço.

Provisões evitam dívidas. Provisionando você ganha juros e se protege dos efeitos danosos da inflação. Com provisões você poderá substituir o pagamento das compras que seriam feitas com cartão de crédito, evitando riscos e pagamento de juros.

Você pode até achar chato provisionar para comprar no futuro. Mas chato mesmo é pagar juros hoje por falta de planejamento. Se for o seu caso, questione-se!

Quem se planeja com antecedência, sempre terá melhores resultados.

Achou interessante?

Então deixe um comentário abaixo e compartilhe este artigo com seus amigos.

 

Fábio Moraes

Um artigo sobre Educação Financeira

,

Sem comentários